20 de março de 2013

O meu ódio de estimação: correcção da concepção | My pet hate: correcting the conception

[O post que se segue pode conter linguagem ofensiva ou susceptível de ferir a sensibilidade do leitor. Por favor, se padece de algum conservadorismo ou amor para com todas as espécies humanas, aconselhamos que não prossiga com a sua leitura. Obrigada.]

Depois deste post ficou instalada a ideia generalizada de que não suporto o meu chefe. Queria corrigir essa concepção errada com que vos deixei.

Ora, se realmente não o suportasse, crêem que era altruísta ao ponto de querer que o senhor estivesse em passeio a toda a hora? Senão, vejamos:

Quando ele me vem chatear com objectivos comerciais ainda por cumprir, penso logo:
«E se fosses dar uma volta ao bilhar grande?»

Quando ele grita comigo de manhã, por chegar a-p-e-n-a-s 5min antes do meu horário de entrada (sim, leram bem, eu disse “antes”!), fico com vontade de indagar:
«Porque é que não vais ver se eu estou na esquina?»

Quando expressa indeléveis mentiras, coisa que acontece com cadência quase diária, apetece-me convidá-lo:
«Vai à fava!»

Quando me proíbe de acender a luz em determinados compartimentos, porque temos de poupar na factura ao final do mês, e eu fico a trabalhar às escuras, vem-me à cabeça:
«E se fosses com o Carvalho?»
(Esta é mais do que reveladora de que tenho em mente apenas o bem: é que para além de querer que o senhor vá dar um passeio, ainda desejo que ele leve companhia; isto de ele andar sozinho é chato.)

Quando manda boquinhas por eu só (leram bem, eu disse “só”!) fazer duas horas extra por dia (coisa para não me ser nunca paga), cogito imediatamente:
«E se fosses abaixo de Braga?»

Quando não autoriza o pagamento de ajudas de custo e me obriga a fazer deslocações de trabalho no meu carro e à borla, só me apraz verbalizar:
«Vais às urtigas!!!»

Quando faz ouvidos moucos aos meus constantes pedidos de transferência de unidade, quase discorro:
«Vai dar uma curva…»

Quando não me permite qualquer livre-arbítrio sobre a decisão do meu calendário de férias, apetece-me logo desejar que se divirta numa festa com inúmeros focos luminosos:
«Vai para o raio que te parta.»

Quando insinua que me há-de proibir de almoçar na cave do edifício, onde não estorvo, nem incomodo ninguém, ganho logo um instinto ternurento e quero muito que ele seja abraçado pela sua mamã:
«Vai para a grandessíssima p%&# que te pariu.»
(Com todo o respeito para a mãe do senhor, claro.)


Ficaram a ler? Por favor não digam que não vos avisei!

I'm sorry, but this post has no translation, once it has to do with portuguese idiomatic expressions. Please come back here later. Thank you .¸¸.*

43 comentários:

  1. Comigo o artista ia de vela. Ou então ia eu... Também é possível... :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passion Addicted, francamente penso que isto cada vez mais é uma luta de galos, e que no fim só um sobreviverá. Infelizmente a corda parte sempre no lado mais fraco.

      Eliminar
  2. Ui, esse homem é da raça do meu patrão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai-se a ver, tiraram o quarta classe na mesma escola. :-P

      Eliminar
  3. chiça! os meus não dizem essas coisas directamente, é mais com insinuações veladas, mau ambiente, stresse constante, controlo, enfim... gasto as minhas energias todas a tentar relativizar, pensar isto é só um trabalho, o que são estas aflições diárias em comparação com a imensidão do universo...:(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tento, A.I., mas o que é certo é que é junto desta pessoa que passo o meu dia-a-dia, e é muito triste vir para casa todos os dias desgastada por causa dele.

      Eliminar
    2. tens de tentar por uma rolha mal bate o horário de saída. Arranjar alguma coisa para fazer deposi do trabalho que te dê prazer. a mim funciona a ginástica

      Eliminar
    3. Por acaso, mal saio, a.i., coloco o rádio do carro bem alto, deixo algum do mau humor no trânsito, e quando chego a casa estou de coração e peito cheios. :-)
      Tirando, claro, os dias em que o que ele faz me transcende de tal modo, que nem uma noite bem dormida me dá sossego.

      Eliminar
  4. Não sei porque mas na sua maioria eles tem a tendencia de nos despertar esses sentimentos e desejos.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso não é uma tendência, Rosinha, o meu ódio de estimação tem todas as razões em cima... e mais algumas.

      Eliminar
  5. Bolas, deve ser difícil trabalhar assim.
    (mudaste a tua foto!! Pá, onde é que vocês arranjam estas coisas??)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fácil não é. E eu sinto-me enfraquecida, e menos profissional desde há dois anos para cá (quando me "mudei" para junto dele -- imagine-se!! -- a seu pedido).

      Eliminar
  6. Credo... este homem é horrível, que nojo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E com isto eu não conto a missa a metade. Podia ainda contar tanta coisa... Mas já não tinha lugares para mandar o senhor passear. :-P

      Eliminar
  7. Respostas
    1. ó pá, eu contrato-te, para fazer desaparecer a minha colegazinha de gabinete! :-)

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    4. Oh Gata, palpita-me que este Ice Truck Killer é só garganta.

      Oh ITK, não estou a reconhecer o teu modus operandis. Quem faz assim é o teu mano, o Dexter. Tu vais cortando os membros das tuas vítimas e deixa-los a esvair-se em sangue. Mas não demores muito, 'tá? Que este gajo é menino para me vir dar uns berros mesmo sem uma perna e um braço.

      Eliminar
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    6. Ele armar-se-á em besta até ao seu último sopro.

      Eliminar
  8. Credo, com um patrão desses acho que não me continha!
    O homem é humano, ou foi fabricado na china e veio falsificado?
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele nem da China... Deve ter sido criado após o cruzamento de um cano de esgoto com uma tupperware com sopa podre há demasiado tempo no frigorífico.

      Eliminar
  9. Pois é, a ver pelos comentários pergunto. Serão indivíduos escolhidos para esses cargos propositadamente ou quem lá chega muda?

    Isto para podermos identificar os verdadeiros culpados. (Coitadinhos dos chefes que não têm culpa nenhuma Zzzz)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diogo, deve ser gene que se ganha quando se chega à chefia. Mas este já terá nascido fdp, que o seu feitio não deve ter sido ganho nos anos de trabalho. É impossível atingir-se tamanho grau de estupidez em 20 anos...

      Eliminar
    2. Mesmo assim acho que as chefia deveriam ser objecto de estudo por parte de psicólogo sociólogo e filósofos. E psiquiatras :)
      Não desculpa nem justificação para o comportamento desses senhores em particular esse.

      Eliminar
    3. Pode ser que algum estudioso um dia se dedique a fazer uma tese sobre a estupidificação associada ao incremento de funções. Eu tenho um bom testemunho para dar a essa pessoa. :-P

      Eliminar
  10. O que tu sentes pelo teu chefe é o que eu sinto pela minha colegazinha de gabinete. Com a diferença que eu desconfio que quem a pariu é puta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh minha amiga, este meu odiozinho pelo meu chefe é tal, que eu até vou fechando os olhos aos meus colegas. E sim, também tenho uma colega que... era dar-lhe com um gato morto na cabeça até ele miar (note to self: desistir desta expressão populista). Só para teres noção, passa a vida no MSN a dizer-me mal dos outros colegas. A melhor parte é que já a apanhei a fazer o mesmo com outros colegas... e a dizer mal de mim. Bom, né?

      Eliminar
    2. A tua no MSN. A minha no face-coiso! Trabalhar??? Ai, dá trabalho!

      ...a minha também deve dizer mal de mim, porque sempre que discuto com ela, ela tecla mais e com mais força! :-)

      [Note to YOURself: não usar expressões com felinos, que eu fico sensibilizada! Thanks!]

      Eliminar
    3. Dear Gata, tens toda a razão, não sei o que me passou pela cabeça. É que eu também fico ref%&@$a com expressões que envolvam desnecessariamente animais não-humanos. Eu dou antes com uma marreta na cabeça da gaja, até a marreta começar a tocar o Hino Nacional. :-) Está melhor assim? Depois empresto-te a marreta para dares também na cabeça da tua colega. ;-)

      Eliminar
  11. LOL Até acho que estás a ser extremamente simpática com ele! Gostei da do bilhar...mas se ele gostar de snooker eu era pessoa para lhe ganhar alguns jogos, e "pô-lo na linha".......de combóio.
    Tem lá calma com esse infeliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Laura, e eu a pensar que ia ser alvo de comentários de ódio quando revelasse aqui o meu lado mais negro!!! Mas é isso, era metê-lo na linha do comboio regional (se fosse na do Vouguinha ele se calhar ainda se safava).

      Eliminar
  12. Conheço bem o tipo... Mas desse já me livrei.

    Só tu hoje para me fazeres sorrir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho fé de me vir a livrar em breve. Mas já ando a desesperar...

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Nojo é pouco. Qual é o grau superlativo de nojento?

      Eliminar
  14. O que eu me ri a ler este post! Não sei se tinha paciência para aguentar tudo isso... Boa sorte para o continuares a aturar.

    http://deverasoriginal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paciência, paciência, não tenho, por isso é que todos os dias lhe respondo mal e levanto a voz. Mas infelizmente, enquanto precisar do dinheiro ao final do mês, vou aguentando.

      Eliminar
  15. Ahahah ri-me bastante com esta publicação! É preciso muita paciência para aturar isso tudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não é à base da paciência que o aturo. É a pensar na necessidade de trazer o ordenado ao final do mês.

      Eliminar
  16. Que brilhante leque de expressões idiomáticas :)) Tu adoras mesmo o idio...o senhor! Força!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esgotei todas as minhas expressões, Ana ✈, senão ainda tinha algumas coisas a apontar ao idio... ao senhor, digo. ;-)

      Eliminar