28 de fevereiro de 2013

Quando as imagens valem (realmente) mais do que as palavras | When images are (really) worth more than words

{Peço desculpa pela generalização, mas estas coisas fazem-me doer cabeça e estômago.}

Quando era pequenina o meu avô perguntava-me porque gostava mais de cães do que de pessoas. Por mais que eu lhe explicasse, ele nunca me dava razão. Infelizmente ele está agora com Deus e não pode ver isto. Porque se visse, aposto que me diria finalmente «Agora percebo».


{I'm sorry about the sweeping statement, but these things hurt my eyes and stomach.}

When I was little my grandfather used to ask me why I liked dogs more than people. As much as I explained to him, he would never understand my reason. Unfortunately he is now with God and cannot see this. Because if he saw it, I bet he'd finally say «I understand it now».

19 comentários:

  1. As pessoas têm muita maldade e os cães não, esse é um grande motivo!

    R: Para ser sincera, estou-me a preparar para o Verão aha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar é por isso. Ou porque não guardam ressentimentos. Ou porque nos amam incondicionalmente.

      Eliminar
  2. Já ouvi várias versões sobre essa história e sinceramente não acredito que os policias iam bater no rapaz só por ele não ter pago bilhete do cão... Acho que alguma coisa está mal contada mas neste mundo nunca se sabe :x

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, Blackbird, os polícias batem até nos trabalhadores com salários em atraso. Os polícias só não batem é nos ladrões, porque eles costumam andar armados e os polícias são uns cobardes que, na sua maioria, são fugitivos da enxada. Uns nabos sem educação nem formação que se valem do poder que têm para malhar nos inocentes que lhes pagam o ordenado.
      Dizem que deus escreve direito por linhas tortas... se calhar é isso que ele faz quando um bófia é abatido por um gatuno.
      E este povo é uma vergonha. Deixaram a polícia bater num cidadão e ninguém levantou uma mão.
      Para mim, quando o comboio recomeçou a marcha, aquele revisor era atirado pela janela.
      O que aqueles otários demonstraram é que os três juntos (revisor e GNR's) não valem metade de um cão.

      Eliminar
    2. Blackbird, isso foi também o que disse quando ouvi a história. Cheguei a ficar irritada com a irresponsabilidade do fulano ao ter entrado no comboio sem bilhete. Se não sabia, devia ter perguntado, PONTO! Durante anos andei com o meu Sebastião nesta mesma linha, com saída -- curiosamente -- na estação onde ele foi expulso. E na primeira vez perguntei se tinha que comprar bilhete: sim. E religiosamente paguei sempre, e guardo-os com carinho. :-)
      Mas vá,o rapaz não sabia, e entrou na carruagem. O que o revisor tinha de fazer era cobrá-lo, PONTO! E não tinha que parar o comboio, incomodar toda a gente e fazer aquele filme. No vídeo ouve-se o rapaz calmamente a questionar onde podia comprar o bilhete. Foi aqui que eu percebi que a história estava -- afinal -- bem contada. Não percebo a violência. O mais chocante? É que naquele mesmo comboio, naquela mesma linha, andam todos os dias dezenas de romenos sem bilhete, e nuuuuuuuuuuuuuuuuuunca chamaram a polícia. A mim incomodam-me mais estes, do que uma cadelinha sem bilhete, sorry!Blackbird, isso foi também o que disse quando ouvi a história. Cheguei a ficar irritada com a irresponsabilidade do fulano ao ter entrado no comboio sem bilhete. Se não sabia, devia ter perguntado, PONTO! Durante anos andei com o meu Sebastião nesta mesma linha, com saída -- curiosamente -- na estação onde ele foi expulso. E na primeira vez perguntei se tinha que comprar bilhete: sim. E religiosamente paguei sempre, e guardo-os com carinho. :-)
      Mas vá,o rapaz não sabia, e entrou na carruagem. O que o revisor tinha de fazer era cobrá-lo, PONTO! E não tinha que parar o comboio, incomodar toda a gente e fazer aquele filme. No vídeo ouve-se o rapaz calmamente a questionar onde podia comprar o bilhete. Foi aqui que eu percebi que a história estava -- afinal -- bem contada. Não percebo a violência. O mais chocante? É que naquele mesmo comboio, naquela mesma linha, andam todos os dias dezenas de romenos sem bilhete, e nuuuuuuuuuuuuuuuuuunca chamaram a polícia. A mim incomodam-me mais estes, do que uma cadelinha sem bilhete, sorry!

      Eliminar
  3. Pronto, se calhar já falei demais, mas estas coisas deixam-me a bater mal.
    No mês passado deixei mais de metade do vencimento no veterinário e hoje passei um dia de cão por ver o meu animal cada vez mais coxo e a gemer com dores... mas eles são extraordinários. O olhar meigo da minha menina, vale mais que todo o dinheiro que gasto com ela. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, concordo contigo a 300%! Mas lá está, sempre tive pessoas contra mim por pensar assim. Em cima dizias que ambos os agentes e o revisor junto não valiam metade de um cão, e eu diria mesmo que não valem um pêlo destes. Não tenho dúvidas de que se estivesse naquela carruagem teria mandado com um salto na cabeça do revisor (sou muito gaja e nada violenta, mas não suporto injustiças, sobretudo se há cães pelo meio). Provavelmente também seria arrastada pela GNR, mas pouco me importaria. Enquanto andar neste mundo terei sempre voz activa contra palermices como esta.
      Ando a pensar fazer uma acção junto da CP para protestar pela atitude do revisor. A ideia seria juntar um grupo grande, cada um com o seu cão, e minar todas as carruagens. Só que ainda ando a avaliar a ideia, porque não quero colocar nenhum cão sob stress, e receio que aquilo não ficasse bonito.
      Então a tua menina, que tem? Será artrose? Quantos anos tem? O meu Sebastião toma medicação por isso.

      Eliminar
    2. Pois, essa ideia até seria boa, mas duvido que tivesse muitos aderentes. Mesmo aquelas pessoas que usam habitualmente o comboio não se querem chatear.

      A minha menina tem 13 anos mas é uma grande maluca. Anda sempre aos saltos e fez uma rotura de ligamentos. Teve de ser operada, levou um substituto sintético do ligamento, mas continua a coxear e a gemer com dores. Mas nem por isso deixa de saltar, o que só torna a recuperação mais difícil.
      Ela agora só toma reconstituinte da cartilagem, mas andou desde Setembro a tomar anti-inflamatórios sem resultados visíveis, até que em Janeiro teve de ser operada.
      Mas ela é uma "rapariga" forte. Já tinha sido operada duas vezes (tirou uma mama em 2005 e outra em 2010) e recuperou sempre bem. E não me culpa por ser eu a levá-la "ao castigo"... :)

      Eliminar
    3. Estou a ver que sim, que é uma menina e pêras. Curioso nunca ter ouvido falar de cadelinhas que tiram mamas. Eu só agora tenho uma "menina", sempre fui de ter "gajos". Estou a aprender muitas coisas com ela, para além de perceber que fêmeas, tal como gajas, têm temperamentos muito mais insuportáveis. Mas estou literalmente apaixonada pela minha Rafa; tem sido um prazer conhecê-la e privar com ela... E pensar que já duas famílias abriram mão dela, tendo-a deixado entregue à sorte. Felizmente ela teve isso mesmo, sorte. ;-)

      Eliminar
  4. Eu tambem pertenço ao grupo de que quanto mais conheço as pessoas mais gosto do animais! Mas muitas gente tambem ainda nao percebe porque...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas pessoas desconhecedoras deste "porquê?" começam a ser felizmente cada vez menos.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Se calhar aqueles a quem chamamos "reles" chamam-nos "reles" a nós. :-S

      Eliminar
  6. Já tinha visto e é realmente chocante! Mas é a realidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os dias a ficar mais frustrada com a humanidade... :-((

      Eliminar
  7. Nem tenho palavras para classificar este acto. Aliás, até tenho mas são fortes demais para a blogosfera. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz o anúncio, "eu sei o que isso é". E também tive que me recatar para não colocar aqui tudo ao desbarato. :-)

      Eliminar